Faz um ano que eu saí da faculdade e aqui está o que eu aprendi durante esse tempo

A árvore em frente ao Bloco A da Unicap em toda a sua glória

Eu enrolei tanto pra escrever esse texto que até o título ficou desatualizado, mas acho que se eu for esperar encontrar uma solução para todas as dúvidas e questionamentos que me faço sobre esse assunto vou acabar nunca escrevendo nada e, nesse caso, acredito que feito vai ser melhor que perfeito.

Acontece também que processos internos como esses a respeito de profissão, carreira e propósito nunca terminam. A gente muda tanto e a todo momento que fica difícil dizer se decisões são realmente uma solução definitiva ou apenas um tapa buraco pra próxima interrogação que aparecer na nossa cabeça.

Eu não entendia nada disso quando entrei na faculdade, lá em 2014. Se você acompanha o blog há alguns anos, conhece um pouco dos questionamentos que eu me fiz quando finalmente notei que nada na vida é linear, muito menos uma carreira. 2017 foi uma época muito difícil nesse sentido, eu me vi pela primeira vez perdida e pensando que, talvez, todos aqueles planos que eu me fiz antes mesmo do meu primeiro dia de aula não fossem se concretizar do jeito que eu achava que aconteceria ou até nem se concretizassem. Porque as pessoas mudam e os planos mudam com elas.

Como a boa pessoa metódica que sou, eu tinha uma lista mental muito bem escrita, perfumada e com letra redondinha das coisas que queria ter alcançado logo depois de receber o diploma. Porém (spoiler), nada, absolutamente nada saiu como eu previa. Claro que eu não notei isso logo de primeira, até porque, depois de apresentar o TCC, tudo eram flores e expectativas pela colação de grau e no mês seguinte eu só queria saber de descansar. Mas aí em setembro do ano passado a ficha foi caindo e começou o looping infinito do o-que-é-que-eu-tô-fazendo-com-a-minha-vida.

Eles sempre me disseram que eu deveria tirar boas notas no colégio, prestar atenção na aula e curtir enquanto as coisas ainda eram “fáceis”. Me disseram que eu precisava fazer cursinho, estudar as coisas que eu não gostava (alô química orgânica!) e tirar nota boa no Enem. Também me falaram que eu tinha que escolher um curso que eu gostasse muito, mas que também desse dinheiro (talvez nessa última parte eu tenha feito vista grossa) que finalmente eu poderia estudar SÓ por prazer. Aí disseram que era aula, prova, trabalho, festa, calourada, estágio, hora extracurricular, experiência, correr atrás e mais uma lista que não tinha fim.

Mas eles nunca me disseram o que viria depois. Ou talvez eu tenha perdido esse tutorial.

Sair da faculdade, pra mim, foi como mergulhar no vazio já que todas as certezas que eu vinha acumulando deixaram de ser certezas e viraram alguma coisa viscosa e complexa que eu não sabia onde enfiar. E por isso foi tão difícil me reencontrar depois que toda a euforia passou. Toda aquela comodidade de responder “tô na faculdade” quando as pessoas me perguntavam o que eu fazia da vida foi por água a baixo. Eu percebi que, pela primeira vez, eu estava por mim mesma. Que era a partir dali que eu precisava realmente correr atrás.

Seria muito fácil se depois de notar isso já cortasse pro momento em que eu estaria lá toda rocky-balboa-eye-of-the-tiger fazendo meus corres pra finalmente entender “qual que é” dessa vez. Mas a vida não é assim tão simples. Ao invés disso, a cena que vem agora é aquela onde eu choro e me descabelo e me cobro porque todo mundo já tem a vida tão decidida e tão certa e eu não sei nem o que eu quero fazer de verdade e fulaninho já tem um job e eu só sei procrastinar e blábláblá.

A verdade é que é foda se comparar com outras pessoas, se sentir perdido e achar que nada que você faz é o suficiente. A síndrome do impostor é uma amiga até bastante íntima minha e se eu tô num momento frágil ela aparece rapidinho pra me fazer acreditar em coisas que não são verdade em hipótese alguma. Durante boa parte desse último ano eu me senti muito mal por todas essas coisas e foi difícil pra mim entender os processos pelos quais eu estava/estou passando. Nesses momentos, eu me esquecia completamente de que eu preciso, antes de tudo, aprender a respeitar os meus processos, olhar com mais carinho e prestar mais atenção.

Não vou dizer que aprendi todas essas lições 100%, mas fez uma diferença GIGANTE dentro de mim quando eu respirei fundo e comecei a viver de verdade as oportunidades que a vida me dava. Provavelmente eu não conseguiria falar sobre isso um tempo atrás (talvez nem no momento em que completei um ano fora da faculdade), mas hoje eu percebo o tanto de coisa que me aconteceu que eu poderia ter deixado passar e então me comprometi a mudar um pouco o ângulo de visão só pra entender tudo o que tava por trás, todo o significado que essas coisas tinham.

Não dizem que Deus escreve certo por linhas tortas? Posso não estar nem de longe fazendo todas as coisas que esperava estar fazendo logo depois da faculdade, mas se eu olhar com atenção consigo ver o quão as decisões que eu tomei e as coisas pelas quais eu fui atrás de certa forma ainda estão naquele plano inicial, não do jeito que eu imaginava, mas do jeito que eu consegui fazer. E tá tudo bem.

Eu posso não estar de cara no meu emprego dos sonhos ou ganhando o dinheiro que achava que iria ganhar, algumas metas podem parecer ainda distantes, mas, nossa, quanta coisa eu conquistei! Quando parei pra prestar atenção, aquelas coisas que pareciam pequenas se tornaram grandes e importantes e, de uma forma ou de outra, me deram repertório profissional e pessoal pra planejar o que eu ainda quero fazer. Quando a gente percebe, por um segundo que seja, a nossa capacidade e que em algum lugar alguém acha que a gente é uma inspiração, não importa de que forma, isso faz uma diferença enorme. E essa é a tal mudança de ângulo que eu tava falando.

Nesse um ano, eu venho aprendendo que tudo bem não saber o que fazer; que é a coisa mais comum e saudável do mundo descobrir novos interesses (e que maravilhoso isso!); que é bom e mais do que necessário sair da zona de conforto; que cada um tem o seu processo e que nenhum deles é igual; que viver o seu mundo e os seus interesses é o primeiro passo pra olhar as coisas de um jeito diferente; que o ócio pode ser a receita pra curar os dias sem inspiração; e que minha rede de apoio é o meu maior motivo pra ser grata, porque sei que nunca vou estar sozinha.

Confesso que a maior parte dessas coisas eu só entendi depois que a tempestade passou, mas até ela passar rolou muito choro, recomeço e cabeça batida na parede. É claro que nada garante que ela não vá voltar e que, vira e mexe, eu não me descabele de novo (tenho certeza que vai acontecer em algum momento). Parece que os B.Os pra se resolver são infinitos e que o sentimento de que a gente poderia estar fazendo mais e melhor fica o tempo todo encarando com olhos grandes e acusadores.

Mas quando a tempestade passou, eu fui entendendo que viver um dia de cada vez é muito importante. Brigar com meus processos internos não faz diferença quando tá mais que na cara que tudo o que eu preciso é respeitar e fazer o meu melhor. Eu acho que quando a vida adulta bateu na minha porta, o essencial talvez nem tenha sido encontrar um caminho, mas manter a cabeça no lugar pela maior quantidade de tempo possível. Eu demorei a notar isso, mas é só quando a mente tá tranquila que a gente consegue definir qual o próximo passo, e esse tem sido meu maior objetivo.

Eu tenho pensado sobre piloto automático

(via Pinterest)

Semana passada eu saí com duas das minhas amigas mais antigas e acho curioso notar que, toda vez que a gente se encontra, sempre rolam umas reflexões meio aleatórias, mas super importantes pra fazer a gente pensar uma na outra de modos diferentes e até pra servir de inspiração pra viver as coisas das nossas vidas de uma forma mais legal.

Nós nos conhecemos há mais de 10 anos, temos rotinas bem diferentes e demora semanas ou até meses (na verdade, mais meses) até que a gente consiga se ver de novo. Mas é certeza que cada novo date, cada troca de experiência não só mostra como nós amadurecemos através dos anos, mas faz a gente voltar pra casa com aquela pulguinha atrás da orelha em relação a alguma atitude que a gente tá tomando, repensar hábitos e dar um gás pra seguir atrás dos objetivos.

Toda essa introdução foi pra dizer que essa última vez que a gente saiu pra jantar eu compartilhei com elas como tava feliz com o fato de vir conseguindo cumprir as metas que eu coloquei pra mim lá no começo do ano: começar aulas de yoga, fazer uma tatuagem, começar a pós-graduação e mais algumas outras. Mas foi aí que, quando eu já tava voltando pra casa, me lembrei que tinham umas metas na minha lista que eu simplesmente não conseguia arranjar tempo pra cumprir (uma delas, inclusive, era manter esse maravilhoso blog).

Daí que no caminho de volta eu repassei toda a minha rotina, pensei no que eu costumo fazer durante os dias da minha semana e não entendi bem pra onde estavam indo as horas que eu gostaria de reservar pra dar continuidade aos projetos que são importantes pra mim.

Resolvi escrever esse post não pra falar sobre produtividade como pode ter parecido nesse último parágrafo. Também não é sobre me dar um sermão ou nada do tipo. Na verdade, esse é um tema que eu teria abordado lá no meu diário, porque sinto que o que eu quero dizer é pessoal demais e talvez não interesse a ninguém. No fim das contas, resolvi escrever sobre isso aqui porque talvez alguém em algum lugar leia e se identifique com o que eu quero dizer.

E o que eu quero dizer é que talvez (só talvez) a gente viva inconscientemente num piloto automático muito tóxico. Talvez isso não seja surpresa pra você, mas essa reflexão ganhou mais peso pra mim quando eu pensei sobre isso através dos anos: pensei em todos os projetos que eu postergo por algum motivo e pensei como minha vida seria daqui uns anos não tendo realizado as coisas que são importantes pra mim. Do alto de todos os meus privilégios, eu vi meus dias sendo preenchidos apenas com “o pacote básico” de atividades, sendo que eu tenho tempo sim pra poder fazer mais do que seria necessário.

E, vamos ser sinceros, se eu tenho tempo no meu dia pra fazer mais do que o essencial (a.k.a. as demandas das outras pessoas), porque não fazer?

Parece uma coisa simples, mas, vendo como esse mês de agosto passou rápido, eu vi como era confortável pra mim fazer o básico e preencher o restante do dia com coisas que não faziam sentido como um autêntico projeto futuro e que me trouxesse muitas coisas boas a longo prazo. Me pareceu que os dias passavam rápido demais com aquela sensação ruim de que o tempo passava e eu só tava lá assistindo.

A verdade é que eu queria ter dito pras minhas amigas naquele dia que eu também tava tendo sucesso nesses projetos, não só em coisas pontuais que aconteceram comigo. E a questão não é desvalorizar todas aquelas metas que eu já consegui cumprir, mas é parar pra observar aquelas que eu tô adiando e me perguntar “porque que eu tô fazendo isso?” e “o que eu posso fazer pra tirar elas do papel?”.

Claro que muitas coisas acontecem na nossa vida que precisam que a gente fique mais quietinho, absorvendo nossas decisões e deixando que as coisas fluam naturalmente. Mas quando a gente nota que o piloto automático tá assumindo o controle, é hora de parar, refletir e assumir o controle de novo.

Ano passado eu escrevi sobre autocuidado num post aqui do blog. Eu não tinha noção disso ainda, mas assumir o controle do que a gente tá fazendo com a nossa vida também é uma forma de se cuidar. Eu venho aprendendo (meio que aos trancos e barrancos) que autocuidado também é sobre fazer coisas por nós que a gente não gosta muito, coisas difíceis e às vezes até doloridas, mas que, no final, podem nos mudar pra melhor. E nesses quatro meses que faltam pro final do ano, achei que podia ser uma coisa legal pra se observar.

Lembrando que a intenção nunca é ficar ansioso ou paranoico sobre o rumo das coisas que a gente não pode mudar, mas fazer o possível pra melhorar aquelas que a gente pode.

Peço desculpas se nada fez muito sentido nesse post, a intenção era tirar da minha cabeça essas ideias todas, mesmo que a linha de raciocínio não tenha sido das melhores. Eu apenas senti que precisava escrever (falar tudo pra mim mesma), mas quem sabe não era isso que você tava precisando ler?

Até a próxima!

Resenha Antioxidante Hidratante Sallve

A comunidade de amantes do skincare ficou abalada no final do primeiro semestre pelo lançamento da tão esperada Sallve, uma marca moderníssima de cuidados com a pele co-criada pela rainha da internet, Julia Petit. A empresa, que não esconde ser nativa digital, tem as redes sociais como principal ferramenta de pesquisa pra entender os desejos do seu público-alvo e, a partir disso, formular produtos que sejam exatamente aquilo que ele procura. Daí vem todo o acerto da Sallve ao apostar no lançamento de um carro-chefe, o tão comentado Antioxidante Hidratante que se gaba de ter mil e um benefícios, atraindo todos os holofotes e olhares internet a fora.

Inclusive o daquela que vos escreve. Já faz uns bons três anos que eu venho gostando de incluir um produto a mais na minha rotina de skincare entre os passos de lavar e aplicar hidratante. Primeiro eu comecei pela Vitamina C da Payot (comprei duas vezes), bem baratinha, mas que melhorou horrores a minha pele, e depois fui pro Minéral 89 da Vichy, outra vibe de produto, menos oleosinho, mas que também amei usar. Foi quando esse último acabou que eu fiquei sabendo que a Sallve tava pra lançar o tal do Antioxidante Hidratante, depois de meses e meses de mistério.

Não vou mentir, fiquei com o pé atrás, afinal é uma marca nova, nada se tinha falado sobre o produto ainda e eu não sou muito daquelas que dá tiro no escuro só pra seguir a modinha. O fato de ser um cosmético (e não um dermocosmético, que tem muito mais estudo e tecnologia por trás) também me incomodava um pouco, mas como eu usei por muito tempo a Vitamina C da Payot e adorava, não era exatamente uma desculpa pra mim.

Foi aí que eu vi uma entrevista da Julia para o canal da Jana Bonita de Pele em que ela dizia mais ou menos o seguinte: “Se não fosse pra lançar no mercado alguma coisa inédita e que realmente funcionasse, eu nem lançaria”. E foi nesse momento que eu me convenci a dar uma chance ao dito cujo.

Eis que fui lá, comprei o produto logo no dia do lançamento e, nesse post, vou contar como foi a minha experiência usando ele diariamente por um mês. Já deixo avisado que o post deve ficar um pouco longo, mas, já que a minha intenção aqui é falar absolutamente tudo o que eu achei do produto, não tem como não me aprofundar pra dizer se ele vale a pena ou não comparado a alguns similares que já usei e que fazem o mesmo trabalho.

P.S.1: As minhas impressões são totalmente baseadas na minha experiência, não sou dermatologista nem expert no assunto. Se você tem questões de pele que precisam de mais atenção, é sempre bom consultar um profissional antes de usar qualquer coisa.

P.S.2: Sempre bom lembrar que tenho pele oleosa, característica que se acentua no calor. Atualmente tenho acne hormonal por conta de ovários policísticos, mas devido ao tratamento fico com a pele ressecada bem facilmente.

Dito tudo isso, vamos à resenha!

Sobre o produto e o que ele promete

De acordo com o site da Sallve, o Antioxidante Hidratante é um produto hipoalergênico, testado dermatologicamente e oftalmologicamente, não testado em animais e livre de ingredientes proibidões. A marca sugere que ele seja usado em todo o rosto, pescoço, colo e área dos olhos e, segundo ela, três ou quatro gotinhas de produto são suficientes pra preencher toda essa área.

Ele tem 35g, um tamanho que eu achei muito legal, e custa R$ 89,90, o faz com que ele tenha um ótimo custo-benefício. Logo na pré-venda, eu vi muitas pessoas no Insta da Sallve perguntando quanto tempo de uso rende uma bisnaguinha dessas e eles falaram que durava mais ou menos um mês. Achei a resposta meio ilógica levando em consideração a quantidade de produto que eles recomendam que seja aplicado e a quantidade que vem na embalagem. Já usei muitos produtos com embalagem de 30g e, aplicando até mais do que eles recomendam, eles duram fácil 3 meses se você usa uma vez por dia. Eu venho usando só pela manhã e não chegou nem a ficar pela metade ainda.

Sobre os ingredientes do Antioxidante Hidratante, a Sallve diz:

Um produto que é muitos. Antioxida enquanto hidrata. É sérum e gel. Cuida da área dos olhos e do rosto todo. Sua fórmula única combina o Ácido Hialurônico a 5 antioxidantes preciosos: Nano Vitamina C a 10%Vitamina E, Resveratrol, Cafeína e Niacinamida. E, graças à nanotecnologia, os principais ingredientes estão revestidos e prontos pra entregar seu melhor, agindo no lugar certinho da pele da forma mais segura. Ele hidrata controlando a oleosidade, minimiza poros dilatados, previne linhas finas e sinais do tempo, uniformiza o tom e recarrega as baterias da pele, devolvendo a luminosidade natural e suavizando o inchaço matinal e as olheiras de cansaço. Pode usar todos os dias, pela manhã e à noite.

Como você pode ver, o Antioxidante Hidratante não nega prometer deus-e-o-mundo né? Achei a composição muito boa, levando em consideração o pouco que eu entendo. A Nano Vitamina C a 10% chama a atenção pela porcentagem e também por ser encapsulada, uma forma de armazenamento que faz com que ela penetre mais fundo as camadas da pele e impede que ela oxide mais rapidamente. O Ácido Hialurônico é um componente que tá muito em alta ultimamente e, pelo tempo em que eu usei o Minéral 89 (que é composto principalmente por esse ácido) notei bastante diferença na minha pele.

A Vitamina E e Cafeína terminam sendo ótimos bônus, também o Resveratrol e a Niacinamida, que sempre estão presentes nos cremes manipulados que a minha dermato receita. E se a minha dermato receita esses componentes, eu confio de olhos fechados.

Sobre a embalagem

Antes de tudo eu preciso de algumas linhas para declarar meu amor absoluto por essa embalagem. Amei o formato em bisnaguinha, super tranquila de transportar e ainda mais legal pra aplicar o produto. É um modelo extremamente prático de usar, sem falar que é uma gracinha.

Estética do produto à parte, achei muito legal que a embalagem do Antioxidante Hidratante tem os selos I’m Green (que quer dizer que a embalagem foi feita com Polietileno Verde) e Eu Reciclo, que é um programa de logística reversa em que a empresa se compromete a reciclar uma porcentagem das embalagens que produz.

É interessante notar que, alguns anos atrás, a maioria das pessoas nem iria questionar o posicionamento da empresa sobre causas ambientais, reciclagem de embalagens e logística reversa. A Sallve, como boa nativa digital, sabe que seu público não é mais alheio a esse tipo de discussão e fez questão de ter a resposta pronta na ponta da língua toda vez que surgisse um comentário do tipo “poxa, embalagem de plástico?”. São detalhes que contam (e muito) pra construção da identidade da marca e pra consolidação dela no mercado futuramente.

Sobre textura, aplicação e fragrância

A Julia contou que a textura de sérum foi uma das mais citadas quando a marca procurou saber qual era a preferência do público. Foram muitos testes até que eles chegassem nessa textura sérum-gel que, pra mim, fica no meio do caminho entre um sérum tradicional (como o Minéral 89, pra citar um que eu conheço bem) e um hidratante levinho, pra pele oleosa.

Pessoalmente, essa não é uma textura que eu goste tanto, eu sou bem mais fã de produtos densos e que demorem a ser absorvidos pela pele. O Antioxidante Hidratante é justamente o contrário. Nos dias em que a minha pele tava mais ressecada, ele foi absorvido quase que imediatamente e era até complicado espalhar por todo o rosto, mesmo que eu tivesse usado as “três ou quatro gotinhas” recomendadas pela marca.

Minha forma preferida de aplica-lo foi lavar e secar o rosto com uma toalha e, imediatamente depois, aplicar uma gotinha dele em cada ponto do rosto (bochechas, queixo, nariz e testa) e espalhar bem. Quando o rosto ainda está meio úmido ele desliza mil vezes melhor e dá uma sensação muito gostosa na pele, até um pouco geladinha dependendo do local onde você deixa guardado.

Gostei também que ele é um produto que não tem uma fragrância forte. Ele tem um cheiro que não consegui definir e que some da pele poucos segundos depois de aplicado.

Sobre os resultados

Logo depois que você aplica o Antioxidante Hidratante, fica uma sensação meio “colentinha” na pele por conta do Ácido Hialurônico, mas nada que incomode. A impressão que dá é que você não passou nada, mas (como eu tentei mostrar na foto acima) dá pra notar um leve viço de hidratação. Ao contrário do que a marca fala, não achei que ele minimiza os poros; notei que os poros (principalmente os que tenho perto do nariz, que são mais dilatados) ficam levemente menos visíveis, mas isso acontecia nos períodos em que minha alimentação estava boa, o que é uma coisa que muda a pele, inevitavelmente.

Já o controle da oleosidade é uma coisa que dá pra notar logo de primeira; por uns dois ou três dias em que eu não precisei sair, testei lavar o rosto e só aplicar ele em seguida, sem protetor solar, e o efeito foi bem legal, deu pra ver que ele deixa a pele bonita, viçosa, mas com a oleosidade controlada.

Quanto à prevenção de linhas finas e sinais do tempo, só o uso continuo por muitos anos que pode dizer. O fato é que prevenção é fundamental e substâncias como a Vitamina C, por exemplo, são muito boas nesse aspecto, sem falar que ajuda, e muito, na hidratação e uniformização da pele.

Para ser sincera, não notei melhora na aparência de manchinhas por enquanto (tenho várias por conta de acne hormonal), mas talvez mais um ou dois meses de uso possam ajudar.

Também não notei aparecimento de espinhas como algumas pessoas relataram, todas as que tive nesse período de uso apareceram em áreas com tendência à acne hormonal e tenho certeza que não foi por causa do produto.

O veredito

No fim das contas, eu gostei muito do Antioxidante Hidratante, o resultado na minha pele foi muito bom. Mesmo que eu acredite que os maiores resultados eu vou ver a longo prazo, acho que as primeiras impressões dele são bem positivas, dá pra sentir a pele mais macia e iluminada logo na primeira semana de uso, principalmente na área dos olhos. Ele é leve, gostosinho de passar e some na pele depois de um segundos.

Se você tem pele oleosa, não quer perder tempo com skincare, quer só usar algo que suma logo na pele pra depois vir com a maquiagem, o Antioxidante Hidratante é pra você. Se você também é tipo bem prático que não tem paciência de usar mil produtos na cara, mas que quer ter certeza de estar usando algo que tenha uma boa composição sem gastar rios de dinheiro, ele também pode ser um ótimo aliado.

Pessoalmente, não acho que ele seja um produto pra ser usado sozinho. Ele quebra um galho enorme nos dias em que eu não tenho paciência de usar nada no rosto, mas pra eu ter o resultado de hidratação que eu gosto, preciso aplicar um hidratante um pouco mais consistente depois. Isso porque, na minha rotina, ele não substitui um hidratante mais grossinho, mas sim funciona como um extra, não por não ser eficiente, mas porque eu gosto de usar um produto que deslize mais na pele, que dê essa sensação visual de pele brilhosa e hidratada.

Claro que isso é uma opinião 100% pessoal. Ele hidrata sim, mas, como todo sérum mais fininho não dá aquela impressão visual de pele hidratada, com glow absurdo. Produtos mais “oleosos” num geral dão essa impressão, sérum mais aquosos fazem o trabalho de dentro pra fora e logo somem da pele.

Sabendo disso, é legal você entender o que você quer pra sua rotina de skincare. Eu realmente acredito que o Antioxidante Hidratante pode substituir o hidratante de alguém que não gosta de passar muitos produtos, porém também acho ele é perfeito pra vir antes de um produto mais consistente que hidrate “visualmente” mais.

Mas independente disso, quero dizer que ele é uma opção muito válida. Não chega a ser um dermocosmético como o Minéral 89 da Vichy, mas também ganha de lavada em composição e tecnologia da Vitamina C da Payot, por exemplo. Eu super compraria de novo e garanto que, se comprar mesmo, eu volto aqui pra falar minhas impressões a longo prazo do produto.

Então é isso! Espero que a resenha tenha sido útil e ajude de alguma forma você que tá aí curioso imaginando se investe ou não investe no tão famoso sérum da Sallve. Me conta nos comentários se você já testou ou gostaria de testar esse produto. Até a próxima!