‘Os Crimes ABC’ (1936), de Agatha Christie

Fotor_14725621477866[1]

Agatha Christie é a mestra do crime. Ela já escreveu mais de 100 obras, entre romances, contos e peças, que se tornaram clássicos absolutos da literatura mundial e referências no gênero. Sua escrita é bem simples e direta, mas a condução que ela dá aos seus casos são exemplares. A forma como ela apresenta os personagens (todos possíveis suspeitos) e depois como vai distribuindo as pistas e fazendo o leitor desconfiar de cada passo, cada evidência e sempre desviar a sua atenção do verdadeiro autor do crime é brilhante. Não sei se esse brilhantismo se sustenta por todos os seus livros, afinal não li nem 1/4 da sua obra, mas até agora, nos poucos que li, ela não decepcionou.

Eu conheci a história de Os Crimes ABC pela série francesa Os Pequenos Crimes de Agatha Christie (2009) que eu assistia pela TV Brasil. A série adaptava algumas dos romances da autora, mas trazendo a história para o universo do detetive Larosière e do seu ajudante Lampion, ambos criações da série, mas levemente inspirados em Hercule Poirot e Capitão Hastings, personagens originais da autora. A série é bem divertida, vale conferir no YouTube (primeiro episódio; demais episódios). Como fazia bastante tempo que eu tinha assistido o episódio em questão (Assassinatos em Série) nem me lembrava muito do que acontecia na história, o que foi ótimo já que eu não recebi spoilers sobre o assassino.

Em Os Crimes ABC, o detetive Hercule Poirot se vê à frente de mais um mistério: três pessoas são mortas em três cidades diferentes por uma curiosa figura de nome ABC. O problema é que as vítimas não parecem ser escolhidas aleatoriamente, já que o assassino avisa por meio de cartas o lugar e o dia em que o crime irá ocorrer e todas as vítimas tem a letra do sobrenome igual a do nome da cidade, sempre seguindo a ordem alfabética.

Fotor_147256242748722[1]

O narrador da história é o Cap. Hastings, fiel escudeiro de Poirot no mundo das investigações. Em alguns capítulos é usada a narrativa em terceira pessoa, ou seja, é possível ver a história pelo olhar de outros personagens. Também figuram no enredo os parentes das vítimas mortas que são convocados por Poirot para tentar decifrar esse mistério. A peculiaridade do romance é desafiar o detetive, e consequentemente o leitor, a descobrir o que existe de comum entre todos esses assassinatos, tão diferentes entre si, mas que, aparentemente, foram cometidos pela mesma pessoa. Mas qual é o ponto comum a todos eles? Os assassinatos são realmente aleatórios? Será ABC o verdadeiro assassino? E se for, qual a motivação dele em matar essas três pessoas que não tem nada de especial?

O livro começa de forma usual com o detetive se deparando com um assassinato e entrevistando pessoas que podem ajudar a desvendar quem foi o autor. A narrativa engata realmente quando mais vítimas são mortas e você passa a desconfiar de tudo o que os personagens fazem. Os Crimes ABC me deixou com um gostinho de “quero mais”, porque sei que a Agatha consegue prender o leitor mais do que ela fez nesse livro. Em comparação à segunda metade do romance, o início não me deixou muito engajada, pareceu mais uma preparação para um grande ápice. Talvez isso explique porque eu demorei quase um mês para terminar a leitura, mesmo ela não sendo difícil. Apenas o começo que é um tanto quanto desinteressante. Mas é aquela velha história: pode não ter sido a melhor coisa do mundo, mas é superior ao que muitos escritores fazem por aí.

Já da segunda metade eu não posso reclamar: quando parece que todo o caso havia sido resolvido, ainda existiam peças fora do quebra-cabeça que precisavam ser organizadas e é aí que vem o grande plot twist. Poirot aqui usa do seu faro aguçado para ler as entrelinhas do mistério e ver além do que, por exemplo, o Cap. Hastings conseguia deduzir. O vilão do livro é a grande estrela, a grande sacada da autora, porque o mais importante não é tanto descobrir quem ele é, mas sim compreender suas motivações. Eu posso falar que desconfiei de todas as pessoas, até dos detetives, mas nunca esperei que fosse aquela pessoa. Ler Agatha Christie é sempre me questionar por quê eu sou tão lerda. Prefiro aceitar a hipótese de que ela é que é muito boa.

Fotor_147256232310789[1]

Os Crimes ABC é um livro muito divertido. Se não envolve muito no começo, já consegue recompensar o leitor lá pelo meio. A autora constrói aos poucos aquela sensação de estar dentro de uma mansão em que uma pessoa foi assassinada na biblioteca e todos os presentes são suspeitos do crime. Para mim, essa é a melhor parte dos livros dela. Não foi meu preferido da Agatha até agora, mas não foi uma decepção. Além de divertir, ele me fez voltar a ter saudade de comprar livros dela. Para os amantes de romances policiais é uma ótima escolha, já que além do mistério ela nos presenteia com um pouco de suspense psicológico.

Crystal Ribeiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.